Design de negócios é a capacidade de utilizar os princípios do design e as ferramentas de desenvolvimento de negócios juntos com o objetivos de desenvolver soluções completas para os desafios e necessidades do mercado consumidor, o que faz do design de negócios uma habilidade cada vez mais requisitada.

Isso porque soma diversos conhecimentos aplicados de maneira dinâmica e ativa na busca de desenvolver produtos e serviços que sejam efetivos, tanto na utilização pelo público-alvo, quanto em resultados para a organização.

A fim de explicá-lo com mais detalhes, desenvolvemos este post. Continue a leitura!

Por que o design de negócios é importante?

Porque traz melhores resultados. Já que cria soluções de maneira mais completa, tende a economizar e otimizar recursos durante todo o processo de criação, além de alcançar resultados mais expressivos quando lançado no mercado, já que o processo se deu o trabalho de fazê-lo o mais compatível possível com o perfil do cliente.

E o processo do business design é baseado nos princípios do design como: visão holística e experimentação, sem deixar de lado as lições necessárias do mundo dos negócios.

Assim, a visão holística acontece pelo aprofundamento e imersão no contexto em que o problema ou desejo latente está inserido, a fim de gerar empatia suficiente para que se possa ter insights de produtos que levem real valor ao usuário.

Já a experimentação parte do pressuposto que, ainda o levantamento de informações tenha ocorrido, as ideias levantadas são hipóteses que podem ou não serem aceitas pelo mercado consumidor. Uma vez que alcancem o patamar de viável, visto os custos e margens, é necessário testar o que foi desenvolvido com potenciais clientes para que se prove também praticável frente aos clientes.

Uma habilidade do futuro

O motivo para considerar o design de negócios uma habilidade importante é a competitividade de mercado. Está mais associado a proporcionar um futuro (sustentabilidade de negócio), pois já é aplicada atualmente no mundo business.

Isso porque hoje se trabalha para consumidores exigentes e sedentos por comodidade e resultados, e, por outro lado, há players também atentos e dispostos a sanar tais sentimentos.

Portanto, o business design aparece como competência necessária a todo os tipos e níveis de profissionais, tendo em vista criar ambientes organizacionais propícios à inovação, no qual todas as peças estão capacitadas e voltadas a colaborarem entre si e inovarem para o mercado.

E para que aconteça de fato é importante ressaltar que, além dos conhecimentos técnicos aplicados, é necessário encarar o design de negócios como mentalidade, exercendo-a a partir de soft skills (competências comportamentais) que potencializem o processo, tais como empatia e boa comunicação.

Fases do business design

O processo associado ao desenvolvimento de soluções a partir do business design passa por três etapas, sendo que a primeira tem o foco de entender e analisar; a segunda de aprimorar os insights e iterar; e, por fim, a terceira com a estruturação e lançamento da solução.

Mencionado acima, o primeiro momento se serve de empatia e aprofundamento (informações de pesquisas e a própria busca por dados in loco) para que, isento de ideias pré-estabelecidas, os profissionais envolvidos consigam enxergar as oportunidades do ambiente de inserção do produto.

Em sequência é necessário utilizar os insights para formatar um modelo de negócio viável, do ponto de vista de entrega de valor para o cliente e sustentabilidade da empresa, testando-o (junto aos stakeholders – diretoria e clientes) até o ponto em que se torna ideal.

Por fim, tendo estruturado e equilibrado os fatores ligados ao design e ao ambiente de negócios, parte-se para a fase de implantação da solução no mercado: captando recursos ou utilizando o capital da empresa para ser posto à disposição dos consumidores.

Benefícios do business design

O conhecimento envolvido no design de negócios é essencialmente prático, o que acaba proporcionando inúmeros benefícios à empresa e aos profissionais que o põem em prática diariamente.

Entre eles destaca-se a flexibilidade e efetividade na resolução de problemas, pois, ao ser absorvido como mentalidade, como um modus operandi, o design business é adaptado a cada novo desafio, a fim de sempre levar valor e trazer resultados.

O fato de ser focado em resultados, por si só, também é um benefício, pois, ao ter o cliente como centro é necessário abrir mão de vaidades e jogos de poder pela busca constante do que é melhor para o consumidor e para a sustentabilidade da empresa.

Isso só se torna possível a partir do terceiro benefício que é o crescimento profissional, proporcionado pelo know-how que só um profissional disposto a errar bastante, mas obstinado em encontrar a melhor resposta pode ter. A partir da experimentação, o senso crítico e a bagagem é positivamente ampliado.

Por fim, e também associado ao desenvolvimento, está a soma da equipe. Profissionais diferentes, quando unidos por um objetivo, proporcionam conhecimento rico uns aos outros, pois, cada um em sua especialidade e vivência, provoca os demais a saírem de seus pensamentos lineares e incentivam a buscar ideias onde antes não era conhecido.

Aplique o business design

Entendido todo o core envolvido na aplicação do business design também fica subentendido que estão associados a ele conhecimentos, comportamentos e a experiência propriamente dita.

Ao excluirmos a atuação necessária a qualquer profissional que deseja atingir expertise, o que é possível atuando no mercado, é possível se preparar para conseguir aplicar os conceitos e atitudes envolvidos no processo de criação de soluções.

Isso é possível devido à existência de escolas focadas em inovação e design que desenvolvem tais competências nos mais diferentes profissionais a partir de metodologias tão criativas e provedora de resultados quanto o próprio conteúdo que compartilham.

No entanto, assim como a qualquer outro interesse, é preciso se aprofundar no design de negócios até para que, se decidido pelo curso, possa aproveitar o aprendizado de maneira mais intensa. Para tanto, baixe o e-book da Echos e continue a explorar esse potencial.

Ricardo Ruffo

Ricardo Ruffo is a born entrepreneur, educator, speaker and explorer. As a writer by passion Ricardo daydreams on how the world is changing fast and how it could be.

Ruffo is the founder and global CEO of Echos, an independent innovation lab driven by design and its business units: School of Design Thinking, helping to shape the next generation of innovators in 3 countries, Echos – Innovation Projects and Echos – Ventures. As an entrepreneur, he has impacted more than 35.000 students worldwide and led innovation projects for Google, Abbott, Faber-Castell and many more.

Specialist in innovation and design thinking, with extensions in renowned schools like MIT and Berkeley in the United States. Also expert in Social Innovation at the School of Visual Arts and Design Thinking at HPI – dSchool, in Germany.

Naturally curious, love gets ideas flying off the paper. He always tries to see things from different angles to enact better futures. In his free time, spend exploring uninhabited places around the world surfing.

Fique Ligado

    Inscreva-se na newsletter da Echos para ficar acompanhar as novidades da indústria, notícias de inovação e ofertas exclusivas.

    Forgot your password? Click here to reset.

    Presença Global

    © Copyright 2019 Echos. All rights reserved.