Escola Design Thinking - Processo empreendedor: aprenda a inovar com este post!

Muito se fala sobre inovação e a necessidade que os profissionais e organizações têm de oferecer soluções inovadoras. A equação do sucesso para empreender, então, passa pela inovação, pela criatividade e precisa resultar em valor real.

Mas afinal, do que se trata  a inovação? Como utilizá-la para empreender e criar negócios, produtos e serviços que promovam impacto significativo? É o que vamos te contar agora!

O que é inovação: conceito, teoria e prática

Vivemos em uma sociedade e em uma economia marcadas por mudanças rápidas e pela quebra constante de paradigmas. Enquanto isso, os consumidores também mudam de hábitos com frequência, tornando-se mais exigentes. Por isso, em tempos de aplicativos que resolvem tudo, de internet conectada a todos os itens da nossa vida e de decisões na palma da mão do consumidor, inovar se torna uma necessidade.

Inovação é criar ou mudar algo que já existe de um jeito útil e causando uma mudança significativa para pessoas, organizações e para a sociedade como um todo.  Inovar significa oferecer soluções que proponham valor real, com potencial para mudar padrões, sistemas e gerar transformação em esferas diversas, é pensar em soluções reais para situações reais de pessoas reais. Quem pensa em empreender precisa partir desse ponto para tirar do papel uma ideia que realmente faça a diferença.

Inovação e o processo criativo: como unir as duas ideias

O processo de inovação conta muito com a criatividade. Os dois conceitos, no ponto de vista das empresas, até se misturam.

Pensar criativamente faz a diferença para criar os melhores produtos, serviços e soluções! Pessoas criativas têm a habilidade de visualizar formas de pensar mais ricas em detalhes, são visionárias e mais interessantes.

No processo criativo, dentro das empresas, a habilidade precisa se mostrar para caminhar lado a lado com o mindset voltado para a inovação. Para entender como essa relação funciona para gerar inovação, vamos às 4 etapas padrão do processo criativo:

  1. A primeira fase é a de preparo e identificação. Nesse momento, antes de criar qualquer produto, paramos para identificar os problemas que queremos resolver. É a hora de analisar a situação.
  2. Em seguida, vem a etapa da incubação, em que nos distanciamos do problema. No processo criativo, é preciso se afastar e deixar o inconsciente agir. Depois de levantar os insights, deixe o problema descansar e foque em outras questões, situações ou problemas externos. Aqui, só o inconsciente continua trabalhando, então use seu tempo para qualquer outra atividade.
  3. A solução do problema inicial começa a aparecer pela primeira vez na fase de iluminação. Como o próprio nome já diz, após levantar os dados e deixá-los amadurecer durante a incubação, virá um momento de luz. Este é o momento “eureka” do processo, em que o surgimento de ideias criativas resolverão a questão proposta no início!
  4. No fim, é hora da verificação. Como nossa proposta se encaixa na situação que deu origem ao processo criativo? Nesse momento, é preciso racionalizar para validar a proposta da sua solução. Ela é realmente viável? Como será percebida pelo público que vai consumi-la e usá-la? Essa etapa de validação é importante para testar o valor real do que foi criado durante o processo criativo.

O que tudo isso tem a ver com inovação?

Essencialmente, o processo criativo é um modelo que indica o caminho para quem quer  inovar.

Dá para notar  que o processo criativo percorre uma trajetória que busca criar soluções reais e usa da criatividade e da inventividade, de forma consciente e inconsciente, para resultar em um valor real e perceptível. Retomando a ideia da inovação de mudar ou criar algo novo que resolva problemas, o início, meio e fim do processo criativo funciona na mesma lógica.

Tanto a inovação quanto o processo criativo funcionam de forma estruturada a fim de um resultado comum. Ambos almejam a solução de questões existentes e definidas e a melhoria perceptível para seu público-alvo.

Como inovar no processo empreendedor

processo empreendedorAo chegar até aqui, você deve estar se perguntando: como aplicar a ideia de inovação, seguindo as características do processo criativo, em um processo empreendedor real? Vamos à aplicação dos conceitos que já aprendemos em situações reais de negócios.

Empreender significa pensar em novos negócios que suprirão demandas do mercado e dos consumidores. Com uma boa ideia, dedicação e vontade de trabalhar, empreendedores se prestam a criar serviços, produtos e novidades que o seu público pode nem saber ainda que precisa. Claro, o caminho não é nada fácil – especialmente para quem já entendeu que inovar é uma necessidade.

Apple: inovações que conquistam os consumidores

Vários anos e produtos depois do lançamento do primeiro iPod, a Apple consegue propor inovações que conquistam os consumidores. O iPhone X, lançado em 2017, mostra como a empresa faz isso sem precisar “reinventar a roda” ou propor grandes mudanças em seus produtos.

Bom exemplo disso é o reconhecimento facial que o iPhone X utiliza para desbloquear o aparelho e cumprir funções diversas. Ao contrário dos concorrentes, a Apple conseguiu desenvolver uma solução segura para desbloquear celulares que usa uma base tecnológica já existente e a eleva a um novo patamar.

Para consumidores exigentes, que sabem o valor do seu smartphone e querem aliar segurança à praticidade, a marca acertou em cheio. O reconhecimento facial já existia, mas não no nível que a Apple propôs. Assim, a inovação aconteceu sem criar novos produtos mirabolantes ou apostar alto demais!

O exemplo da Apple e de seus produtos altamente tecnológicos explica bem como a inovação impulsiona o empreendedorismo, mas da para ir ainda mais longe. Mesmo sem aparelhos chamativos e produtos altamente tecnológicos, é isso que empresas como a Nubank e o AirBnb fazem. O cartão roxo da Nubank inovou eliminando taxas e burocracias dos cartões de crédito. Os alugueis da AirBnb são facilitados pela plataforma da empresa enquanto os próprios usuários negociam e fecham negócios entre si. Assim, dois serviços que já eram oferecidos por bancos e hotéis já muitos anos, foram revolucionados por empreendedores que foram além e fizeram a diferença para seus mercados e seus consumidores.

Processo empreendedor

Para quem vai passar pelo processo empreendedor, fica a lição. A inovação precisa caminhar com o futuro empreendedor desde o primeiro momento, em que ele identifica o problema que quer resolver ou tem a ideia que pode ser amadurecida até se tornar a solução de uma situação real.

Antes de desenvolver um produto ou serviço e durante os momentos de tirar a ideia do papel, trabalhe para promover a inovação. Volte o pensamento para o que você deve gerar de impacto positivo e para como a sua solução ajudará as pessoas que vão comprá-la e utilizá-la.

Este conteúdo foi útil para você? Não deixe de nos contar o que achou. Comente logo abaixo e compartilhe suas impressões!

ECHOS

A Escola Design Thinking foi criada para aqueles que desejam estar na fronteira da inovação.

Criada em 2012 pela Echos – Laboratório de Inovação, a Escola Design Thinking é uma escola de inovação na prática que tem como propósito formar a nova geração de inovadores.

Esqueceu a senha? Clique aqui para resetar.