A EscolaIn CompanyDesiredMateriaisContato

Quando o Facebook decidiu formar uma equipe de “Growth Hacking” ao invés de uma equipe de Marketing e chegou a um BILHÃO de usuários, ficou claro para marketeiros do mundo inteiro (pra mim, pelo menos) que existia uma maneira mais eficiente de se fazer marketing.

Uma maneira que usa o lado analítico do nosso cérebro, mas que não deixa de buscar o conhecimento profundo do seu usuário/clinte. Uma maneira que não depende de um trocadilho de um publicitário ou de milhões de reais em anúncios durante a novela para vender.

Ok, mas o que é, então, growth hacking exatamente?

1. Growth hacking é marketing com inferência no produto

Diante da percepção (errada) de que marketing é apenas propaganda, existia um preconceito dessa área no mundo de startups . Mas o termo “growth hacking” abriu as portas do produto para o marketing, dando a esses profissionais (aqueles com uma mentalidade mais adequada a startups), acesso para transformar o produto em uma máquina de marketing por si só. O produto deixar então de ser uma coleção de funcionalidades que precisa ser “empurrada” aos consumidores depois de pronta.

2. Growth hacking é um processo

A disciplina de growth hacking se apropria das melhores práticas de dois setores distintos: desenvolvimento ágil de software e o método científico.

2.1 Desenvolvimento ágil

Desenvolvimento ágil de software, traduzido para a linguagem do marketing, significa que no Griwth Hacking as ações de marketing são produzidas em intervalos mais curtos de tempo, em que o objetivo é “colocar no ar” funcionalidades e campanhas com rapidez (mesmo que de certa forma incompletas). Essas ações são testadas e, diante da análise do seu resultado, são melhoradas a partir de dados concretos coletados por elas ou, caso o resultado não seja satisfatório, são descartadas.

2.2 Método científico

O método científico é uma maneira de se formular hipóteses ao invés de fazer inferências dogmáticas sobre fenômenos observados. O growth hacker parte do princípio que ideias não passam de hipóteses a serem testadas através de experimentos controlados. Não existe verdade absoluta ou suposições para um growth hacker. udo deve ser testado. Isso garante com que não se desperdice tempo e dinheiro com coisas que não trarão resultados, e se invista em ações de retorno garantido.

3. Growth hacking é uma maneira de pensar

John Wanamaker é um pioneiro do marketing, inventor de técnicas vencedoras como “money back guarantee” (garantimos seu dinheiro de volta), e é dele a brilhante frase “Metade do meu dinheiro investido em marketing é jogado fora, eu só não sei qual metade.”

O growth hacker jamais fará um grande investimento em marketing se ele não tiver certeza de que trará resultados. O growth hacker é uma mistura de cientista, marketeiro e analista de dados que busca estratégias de altos ganhos com o mínimo de investimento possível. Isso até pode significar gastar dinheiro com publicidade, mas apenas se isso trazer ganhos mensuráveis e sustentáveis.

4. Growth hacking exige conhecimentos de tecnologia

Isso não significa dizer que growth hackers precisam ser programadores, mas vivemos em um mundo cada vez mais dominado por software, onde o hardware está se tornando commodity diante da sua potencialidade.

Quanto maior o conhecimento técnico do growth hacker, maior e melhor será o seu entendimento sobre o que é possível ser feito. E sem saber o que é possível, é impossível ter ideias que vão além do que já foi feito.

Se você é um profissional de marketing ou empreendedor, eu recomendo fortemente que aprenda os princípios básicos de desenvolvimento de software e da web.

5. Growth hacking ainda é marketing

Muito embora growth hackers precisem usar cada vez mais o seu lado analítico e técnico (ou seja o lado direito do cérebro), isso não significa dizer que eles não precisem entender profundamente de marketing e, principalmente, de psicologia do consumidor.

De nada adianta saber desenhar experimentos, analisar dados e programar funcionalidades se um growth hacker não tiver um profundo conhecimento sobre as motivações dos seus usuários, as novas tendências do mercado, os diferentes segmentos de clientes e de como cada um deles compra.

Growth hacking ainda é marketing. E ele exige que você entenda profundamente da parte mais importante nessa história toda: o seu cliente.

** Esse texto foi publicado originalmente do portal Growth Hack, nosso parceiro no desenvolvimento da primeira conferência de Growth Hacking no Brasil!

Se você se interessa pelo assunto, precisa participar da conferência que vai acontecer no dia 14 de dezembro. Durante uma manhã você vai se inspirar para potencializar o crescimento das vendas de seu produto ou serviço através de novas técnicas disponíveis na internet. Saiba mais e inscreva-se. Vagas limitadas!

 

ebook_idt

 

 

Echos

Designing Desirable Futures.

Fique Ligado

    Inscreva-se na newsletter da Echos para ficar acompanhar as novidades da indústria, notícias de inovação e ofertas exclusivas.

    Forgot your password? Click here to reset.

    Presença Global

    © Copyright 2019 Echos. All rights reserved.