Como lidar com a mudança nas organizações utilizando inteligência emocional - Escola Design Thinking

Ser flexível ou a capacidade de se adaptar às mudanças é uma das habilidades fundamentais do profissional do séc. XXI. O mundo está mudando cada vez mais rápido, portanto, organizações que são ágeis em promover mudanças prosperam, enquanto aquelas que param no tempo são fadadas a perecer. Mas o processo de mudança nem sempre é fácil para os funcionários e gestores. Para te ajudar a desenvolver essa competência tão fundamental aos novos tempos, traduzimos o artigo How to Embrace Change Using Emotional Intelligence, publicado pela Harvard Business Review. Veja abaixo:

Você já reagiu a uma mudança anunciada pela empresa revirando os olhos e dizendo secretamente a você mesmo: “lá vamos nós de novo…” ? Ou perguntando aos outros: “ a gente já não tentou isso antes?”?

Mudanças no trabalho podem ser emocionalmente intensas, causando confusão, medo, ansiedade, frustração e infelicidade. Especialistas chegaram a dizer que a experiência de passar por mudanças na empresa pode se assemelhar a de pessoas que sofrem com a perda de um ente querido. Como a mudança pode ser física e emocionalmente desgastante, muitas vezes ela leva ao esgotamento e coloca em movimento um ciclo vicioso que leva a uma resistência ainda maior à mudança.

Ninguém quer ser um obstáculo à mudança, instintivamente resistindo a quaisquer novas iniciativas ou esforços. Isso não é bom para você, sua carreira ou sua organização. Melhorar a sua adaptabilidade, uma competência crítica da inteligência emocional, é fundamental para quebrar esse ciclo. Felizmente, esta é uma habilidade que pode ser aprendida. De fato, em nosso trabalho como coaches, muitas vezes é uma prioridade para nossos clientes. Eles estão cansados ​​de se sentirem frustrados e irritados com as mudanças no trabalho e querem ser vistos como adaptáveis ​​e não como resistentes.

A próxima vez que sua organização introduzir uma grande mudança, considere essas quatro estratégias de inteligência emocional que te ajudarão a abraçar a mudança em vez de lutar contra ela:

 

1- Identifique as causas da sua resistência

Compreender as razões subjacentes para a sua resistência requer um bom nível de autoconsciência. Por exemplo, se você está resistindo porque está preocupado que a mudança fará você parecer incompetente, você poderá criar um plano de aprendizagem para as novas habilidades que você precisará para ser bem-sucedido.
Ou, se estiver preocupado com o fato de a mudança interferir na sua autonomia, você pode perguntar às pessoas que estão liderando o esforço como você pode se envolver no processo. Mesmo que você não goste da direção que a organização está tomando, estar envolvido no processo de implementação pode te ajudar a recuperar um senso de controle e reduzir sua urgência de resistir.

2- Questione a base de sua resposta emocional

Nossas reações emocionais à mudança geralmente refletem nossas interpretações – ou “histórias” – que nós convencemos a nós mesmos de que são verdadeiras. Na verdade, nossas histórias são muitas vezes subconscientes e raramente alinhadas com a realidade. Pergunte a si mesmo: qual é a minha principal emoção associada a essa mudança? É medo, raiva, frustração? Depois de identificar a emoção, pergunte o que é isso? O que eu acredito ser verdade que está me deixando irritado / com medo / frustrado? Esse tipo de questionamento ajuda a iluminar as histórias que impulsionam nossas emoções e influenciam nossas percepções.

Como exemplo, uma executiva sênior do setor de transportes identificou sua intensa reação emocional como raiva. Como ela continuou a questionar a base de sua raiva, ela descobriu uma história oculta: ela era impotente e uma vítima da iniciativa de mudança iminente. Com esta nova consciência, ela foi capaz de separar sua reação emocional e “história” dos eventos reais. Isso permitiu que ela identificasse várias opções para assumir novas responsabilidades de liderança em um aspecto importante da iniciativa de mudança.
Com essas novas oportunidades para recuperar seu poder, sua mentalidade mudou de pensar que as mudanças estavam acontecendo com ela, concentrando-se em como ela poderia assumir um papel de liderança que criaria novas oportunidades tanto para sua carreira quanto para a organização.

3- Assuma a responsabilidade pelas suas atitudes.

Nem sempre é fácil confessar a parte que desempenhamos na criação de uma situação negativa. Uma pessoa autoconsciente reflete sobre como suas atitudes e comportamentos contribuem para a experiência da mudança. Por exemplo, digamos que você tenha notado que está se tornando cada vez mais tenso a cada vez que ouve falar de uma nova mudança. Praticar mindfulness permitirá examinar seus sentimentos e como eles afetam sua atitude. Qualquer negatividade ou pessimismo impactará sua crença, performance e bem-estar (e não de uma boa maneira). Ao refletir sobre como sua reação inicial contribui para uma cadeia negativa de eventos, será mais fácil ajustar sua atitude para ficar mais aberta a novas perspectivas, o que acabará mudando a maneira como você reage a tudo.

4- Aumente sua perspectiva positiva

As coisas podem parecer um pouco sombrias quando você não concorda com uma nova mudança, mas estudos mostram que ter uma perspectiva positiva pode nos abrir para novas possibilidades e sermos mais receptivos à mudança. Fazer algumas perguntas simples ajudará você a pensar com mais otimismo. Primeiro, pergunte a si mesmo onde estão as oportunidades com essa mudança? E então, como essas oportunidades vão ajudar a mim e aos outros?

Por exemplo, um de nossos clientes recentemente passou para uma grande mudança organizacional. Nos 18 meses anteriores, ele havia liderado a reviravolta e a venda de uma divisão para sua antiga empresa e acabara de aceitar um novo papel como presidente em uma nova empresa. Ele sabia que isso não era algo que ele seria capaz de fazer alguns anos antes. Mas ele trabalhou duro para deixar de ser um “solucionador de problemas” para um “localizador de oportunidades”. “Eu estava sempre jogando na defesa, focando em como minimizar nossa exposição ou perdas em qualquer situação. Quando começamos a mudar meu foco de como minimizar as perdas para encontrar oportunidades, tudo mudou. Eu parei de jogar na defesa e passei para a ofensa. Comecei a ver oportunidades que antes eram invisíveis para mim”, diz.

A capacidade de se adaptar rápida e facilmente às mudanças é muitas vezes uma vantagem competitiva para um líder. Da próxima vez que você se sentir resistindo, use as quatro abordagens acima para construir uma oportunidade e a energia psicológica para você e para os outros. Faça a escolha intencional não apenas para abraçar a mudança, mas para impulsioná-la positivamente.

 

Este texto é uma livre tradução do artigo How to Embrace Change Using Emotional Intelligence, publicado pela Harvard Business Review

 

ECHOS

A Escola Design Thinking foi criada para aqueles que desejam estar na fronteira da inovação.

Criada em 2012 pela Echos – Laboratório de Inovação, a Escola Design Thinking é uma escola de inovação na prática que tem como propósito formar a nova geração de inovadores.

Esqueceu a senha? Clique aqui para resetar.