Nova série: qual o futuro do trabalho e como se preparar para ele? - Escola Design Thinking

Um futuro em que robôs exercem atividades antes feitas por ser humano parecia possível apenas em livros e filmes de ficção. Mas a verdade é que isso já está acontecendo: robôs já exercem funções antes feitas por humanos. Os caixas eletrônicos em supermercados podem ilustrar este cenário perfeitamente. Muitas das profissões estão passando por profundas transformações e outras tantas deixarão de existir, principalmente as que envolvem trabalhos mais mecânicos e repetitivos. Mas isso tudo não é motivo para desespero: historicamente, a quantidade de empregos que foram criados com a tecnologia foi maior do que os extintos. O que tem acontecido é uma profunda reestruturação do mundo do trabalho e enquanto ela acontece muita gente vai ter que se adequar aos novos postos que surgirem e adquirir novas habilidades.

A geração que quer fazer o que ama

Apesar de assustadora, a automação promete liberar as pessoas de trabalhos mecânicos e repetitivos para exercer sua criatividade, raciocínio e habilidades sociais em atividades mais interessantes.

E esse novo comportamento no qual o prazer e o propósito tomam grande importância já pode ser observado, principalmente com a geração Y (nascidos entre 1980 e 1995). Se antes o que importava era uma carreira estável que garantisse estabilidade, hoje os jovens valorizam fazer o que se ama e trabalhar com o que eles acreditam.

Outro fator permitido pela conectividade é trabalhar de lugares remotos e de qualquer lugar do mundo. Isso permite novas relações de trabalho, com maior flexibilidade, e ao mesmo tempo, gera uma maior instabilidade, pois as carteiras assinadas estão dando lugar aos trabalhos freelancers.

A Box 1824, uma agência de pesquisa de tendências em consumo, comportamento e inovação, fez uma pesquisa sobre essa transformação da visão do trabalho como obrigação para o trabalho como prazer.

 

Mas então, como se preparar?

Estar pronto para o futuro não significa somente adquirir conhecimento técnico, mas sim desenvolver habilidades que podem ser aplicadas à qualquer trabalho. Habilidades estas inerentes somente aos seres humanos, pois são elas que nos diferenciarão das máquinas. Quais são essas habilidades e como desenvolvê-las? Acompanhe nossa série de posts sobre habilidades e profissões do futuro. Semana que vem vamos falar sobre algumas destas habilidades, como desenvolvê-las e no final da série teremos uma surpresa para você!

 

Natália de Almeida Figueiredo

Jornalista de formação, produtora de conteúdo na Echos e produtora cultural no Coletivo Nóz. Possui pós graduação de Gestão de Projetos Culturais e especialista em formação em Design Thinking. Apaixonada por música, educação e ativismo social.

Esqueceu a senha? Clique aqui para resetar.