A gestão de projetos é um componente importante do dia a dia de qualquer negócio. Todas as empresas que entregam produtos e serviços de qualidade devem ter uma boa metodologia e executar uma gestão de projetos eficaz e inteligente.

Durante qualquer projeto, as empresas precisam prezar por uma série de métodos, processos e abordagens que vão otimizar a gestão. Vários conceitos podem ser aplicados para que a gestão de projetos seja mais ágil, eficaz e resulte em uma entrega melhor. Por isso, a busca pela inovação é o caminho certo para tornar a gestão de projetos mais eficiente.

Estimulando a inovação na gestão de projetos

Inovar é criar uma novidade ou melhorar uma que já existe de forma a oferecer valor real para as pessoas. É entregar esse valor percebido enquanto se muda padrões e quebra paradigmas. Nos negócios, a inovação acontece quando os profissionais conseguem fazer algo que vai de fato mudar positivamente a vida de outras pessoas, sejam elas clientes, colegas de trabalho ou a própria sociedade.

Não é novidade que os negócios estão cada vez mais investindo em inovação. Mesmo com a crise vivida nos últimos anos as empresas dobraram o volume de investimentos no tema.

A mensuração de mercado e os resultados da Echos medidos nos últimos dois anos, apontam que não só mais empresas estão buscando se atualizar nesse sentido, como as que já haviam despertado para a inovação estão investindo cada vez mais nesse tema.

A palavra já virou um termo de ordem para quem quer se destacar no mercado e oferecer uma experiência melhor para o seu público.

Nomes de empresas atreladas à inovação não faltam: Netflix, Uber, Nubank, AirBnb, Amazon, Apple. Elas trabalham para conquistar um espaço especial no mercado e na mente de seus consumidores.

Com soluções que vão das mais simples às mais elaboradas, passando ou não por tecnologias avançadas, elas se tornaram gigantes que representam bem o sentido da inovação. Queridas e bem sucedidas, todas as empresas querem ser como elas e reproduzir seus modelos de negócio e sucesso.

Cases de sucesso que focam na inovação

O que empresas como o Nubank e a AirBnb, por exemplo, têm em comum? E por que elas são consideradas inovadoras?

Elas propuseram mudanças na forma como seus negócios funcionam, quebrando paradigmas e transformando a forma como nós consumimos o tipo de serviço que oferecem. Elas transformaram padrões existentes.

Ao invés de um cartão de crédito mediado por um banco e repleto de taxas, o Nubank propôs algo diferente, eliminando o mediador. O caminho mais curto é mais inteligente e o consumidor do cartão percebe grande valor nisso.

Ao retirar o banco, o cliente passou a encarar menos burocracia e menos taxas. Sabendo dos anseios do consumidor, a empresa ofereceu de forma simples uma proposta bastante inovadora. O resultado são serviços “uau!”, sempre baseados na empatia com o consumidor.

E por que não unir pessoas que querem se hospedar à pessoas que podem hospedar em suas casas? Foi isso que o Airbnb fez: simplificou um processo existente.

Você pode alugar um quarto, um apartamento ou uma casa inteira de alguém que tem isso disponível para você. Sem passar por hotéis, por empresas terceiras e sempre tendo em mente o que facilitaria e agilizaria o processo de aluguel para qualquer consumidor, a proposta da Airbnb parece impossivelmente simples, certo?

Na gestão de projetos, a inovação funciona da mesma forma. Se o consumidor quer mais praticidade e velocidade e os empreendedores inovadores entregam isso a eles, é hora de aplicar a mesma ideia no processo de gerenciar um projeto na empresa. Esse é o desafio de quem quer aplicar inovação em gestão de projetos.

Gestão de projetos inovadora: como se diferenciar?

O mercado atual é extremamente competitivo, exigente e impiedoso. Enquanto há alguns anos a inovação era algo distante na realidade das empresas, hoje ela é uma necessidade. Empresas e pessoas que não inovam ficam para trás. Por isso, precisamos estar sempre inquietos, em movimento, e buscando ser e fazer diferente.

Gerentes de projeto precisam sempre trabalhar controlando situações, seguindo prazos e processos. Mas isso não significa que eles precisam ser rígidos e agir apenas pelas normas do PMBOK. Pelo contrário!

O perfil do gestor de projetos também envolve criatividade, versatilidade e uma capacidade superior de entendimento de pessoas e seus problemas. Assim, inovar é muito mais inerente a esse profissional do que pode parecer.

Ferramentas que ajudam a inovar

A gestão de projetos inovadora precisa encontrar caminhos melhores que os tradicionais, que ainda façam sentido dentro do contexto do seu trabalho e dos seus processos. Hoje, algumas ferramentas e abordagens existem justamente para facilitar, otimizar e deixar sempre mais dinâmico o processo de gerenciar um projeto.

Ferramentas como o  Microsoft Project já existem há um tempo como aliada na gestão de projetos. Muito além dela, outras novidades também surgiram para ajudar. O Trello, por exemplo, funciona como um grande quadro muito simples onde são afixados cartões, que podem ser divididos e movidos por etapas de um projeto, por exemplo.

Também na prática, ferramentas como Asana e Basecamp reúnem e organizam todas as pessoas, etapas e tarefas da gestão de um projeto. Todas essas ferramentas, além de práticas e fáceis de usar, existem na nuvem, sendo acessadas de qualquer lugar.

Mas ferramentas digitais são o menor dos benefícios que a inovação pode trazer para a gestão de projetos. Lembrando que a gestão vai muito além da tecnologia e de ferramentas práticas. Uma ótima forma de gerenciar projetos e resolver problemas é aplicando o design thinking na gestão dos projetos.

O design thinking e seus benefícios para a gestão de projetos da empresa

Afinal, o que é design thinking e como ele pode melhorar ativamente a gestão de projetos em um negócio?

O conceito de design thinking

O design thinking é uma abordagem centrada no ser humano que acelera a inovação e permite o desenvolvimento de soluções para problemas complexos. Essa abordagem tem como foco o ser humano para resolver problemas e, consequentemente, resultar em inovação.

Ele é, portanto, uma forma de propor soluções e melhorias se amparando nos conceitos do design, que busca caminhos mais curtos e eficientes passando sempre pelo que as pessoas precisam.

A aplicabilidade do design thinking

O que o design thinking faz para auxiliar na busca pela inovação consiste em um framework que organiza a informação e leva à ação passando por diversas etapas. Até aí, a explicação parece muito com o processo da gestão de projetos.

O design thinking, na prática, segue caminhos que se cruzam com a gestão de qualquer projeto de forma simples. Na prática, a relação entre as etapas do processo de design thinking e da gestão de projetos podem ser resumidas assim:

  • entendimento do problema: o início do design thinking é o entendimento profundo do problema que será resolvido. Na gestão de um projeto, essa etapa é também primordial para garantir resultados na entrega final. A abordagem do design thinking então funciona como um jeito de se aproximar de uma questão complexa, entendê-la a fundo e propor soluções inovadoras para gerar valor de verdade no final;
  • pesquisa: no design thinking a pesquisa é uma etapa para basear o trabalho que vai ser feito no projeto. Nada de achismos – procure embasar tudo em informações concretas, a fim de avançar mais tranquilamente e com resultados melhores pelo projeto todo. Conversar com as pessoas envolvidas é imprescíndivel;
  • ponto de vista: talvez a mais difícil das etapas, é no ponto de vista em que voltamos munidos de informações e insights para rever o objetivo inicial. Na gestão de um projeto, isso é importante para poder realinhar eventuais concepções equivocadas do escopo inicial, por exemplo;
  • ideação: sabendo o que precisa ser feito, como podemos fazer? Design thinking e gestão de projetos novamente se unem para levantar hipóteses e ideias para encontrar os melhores caminhos e ter um resultado final de sucesso;
  • prototipagem: durante qualquer projeto chega a hora de colocar a mão na massa. Empresas que entendem e praticam o design thinking vão certamente conceber vários protótipos durante um projeto.
  • teste: e o que fazer com um protótipo? Testá-lo! O natural agora é colocar o trabalho em jogo para validar seu valor através de testes. Dessa forma, baseado nas possibilidades levantadas, é mais fácil acertar no produto final de qualquer projeto;

Unindo os dois conceitos, o gerente de projetos vai conseguir um maior entendimento do problema a ser resolvido. Em seguida, ele vai resolvê-lo e entregar o projeto de forma mais ágil, com uma melhor gestão de recursos e de forma que o resultado final seja muito mais aderente à necessidade das pessoas a quem ele se destina.

Ganhando em prazo, recursos e qualidade, qual gerente de projetos não vai querer se deixar convencer pelo design thinking? É inovação e resultados melhores garantidos para se sobressair no mercado.

Quer saber mais sobre inovação e como desenvolver negócios realmente inovadores, que não deixam de lado o foco nas pessoas? Acompanhe a Echos no Facebook, no Instagram e no Twitter e fique por dentro das melhores dicas e novidades sobre gestão eficaz e inovação nas empresas.

 

ECHOS | Escola Design Thinking

A Escola Design Thinking foi criada para aqueles que desejam estar na fronteira da inovação.

Criada em 2012 pela Echos – Laboratório de Inovação, a Escola Design Thinking é uma escola de inovação na prática que tem como propósito formar a nova geração de inovadores.

Esqueceu a senha? Clique aqui para resetar.