A Descola selecionou para você quatro métodos simples de aplicar, que ajudam a reverter obstáculos em combustível para ideias inovadoras. A dicas foram dadas por um empreendedor, uma inventora, um filósofo e um executivo.

1- Identifique os hábitos que sua ideia pode ajudar transformar

Assim, podem surgir novas soluções e modelos de negócios. É o que ensina a startup brasileira Teslabit.

Criada em 2015, a empresa desenvolveu um sistema de gestão de energia elétrica para indústrias que elimina a adoção de metas de economia. Menos metas = menos demandas = mais dedicação ao que importa para a empresa.

“Não queremos nos tornar uma consultoria ou fornecer as análises. Acreditamos que se a economia de energia se tornar não apenas uma meta, mas um hábito, ela será incorporada como qualquer outra tarefa no dia a dia de uma empresa”, afirma Rodrigo Paiva, um dos fundadores da Teslabit.

Conheça mais:

http://bit.ly/1UIQ4JM

2- Dedique tempo às anotações e pesquisas

Quem afirma isso é a inventora Lisa Seacat DeLuca. Ela é dona de mais de 150 patentes e foi eleita uma das 35 pessoas mais inovadoras com menos de 35 anos pelo MIT Technological Review. Nos dias úteis, Lisa, que tem 32 anos, trabalha com computação e comércio mobile para a IBM, dedicando seu tempo livre ao desenvolvimento de suas invenções.

“A geração de ideias não é a parte lenta,” afirma DeLuca. “Qualquer um pode ter ideias muito rapidamente. Mas reservar o tempo para anotá-las e fazer pesquisas para descobrir se é uma boa ideia, ou como fazer para deixá-las ainda melhores, é realmente o gargalo na inovação.”

Entre as invenções de Lisa estão:

– um sistema de alerta para teleconferências que avisa quando um determinado assunto começa a ser discutido, ou alguém específico começa a falar;

– um sistema que guia pessoas que estão andando e falando no celular para que elas não percam o sinal;

– um aplicativo para lojistas que envia ofertas a clientes de acordo com sua locação dentro da loja (desenvolvido para a IBM).

Conheça mais:

http://bit.ly/1RusYDX

3- Estimule sua imaginação sem entrar numa viagem

Como? Fazendo novas conexões e combinações entre as partes que constituem sua ideia ou projeto. Assim, surgem novos pontos de vista e relações, que podem ser aproveitados.

Essa dica vem do matemático e filósofo francês Henri Poincaré (1854-1912), que estudou profundamente como a criação acontece nas ciências. Para Poincaré, ela se parece com um jogo de xadrez: examinam-se combinações úteis de jogadas, (ou conhecimentos e recursos disponíveis), para decidir quais são as melhores combinações.

“Uma demonstração matemática não é feita por uma justaposição de silogismos. Ela é feita pelos silogismos colocados em uma ordem determinada. E a ordem que estes elementos estão colocados é muito mais importantes que eles próprios”, ensina Poincaré no livro Ciência e Método, onde ele relata o processo de algumas de suas criações matemáticas.

Conheça mais:

http://bit.ly/21XjxhD

4- Desenvolva primeiro as partes mais fáceis do seu projeto

Fazer tradeoffs no início do desenvolvimento de uma inovação para desenvolvê-la e tangibilizá-la mais cedo pode otimizar o trabalho de criação. Esse é um dos aprendizados do estrategista especializado em inovação Andrew Waldeck.

Andrew é sócio da consultoria Innosight e trabalha com empresas dos setores financeiro, de saúde e de mídia, criando processos corporativos para gerar inovação mantê-las competitivas em um cenário marcado pela disrupção.

Um dos trabalhos de Andy foi ajudar o grupo finaceiro Citi a implantar um novo modelo de negócios para uma de suas principais franquias bancárias. O projeto combinava o uso de novas tecnologias, design centrado no usuário e processos de inovação para estreitar os laços entre bancário e cliente.

Para garantir o sucesso de um projeto disruptivo dentro de uma estrutura organizacional enorme, Andrew e os executivos do Citi elegeram um Chief Bottleneck Buster para identificar os principais gargalos da corporação e negociar com os responsáveis por cada um para que as necessidades do projeto fossem atendidas.

Conheça mais:

http://onforb.es/1oqkGRC

Ricardo Ruffo

Ricardo Ruffo is a born entrepreneur, educator, speaker and explorer. As a writer by passion Ricardo daydreams on how the world is changing fast and how it could be.

Ruffo is the founder and global CEO of Echos, an independent innovation lab driven by design and its business units: School of Design Thinking, helping to shape the next generation of innovators in 3 countries, Echos – Innovation Projects and Echos – Ventures. As an entrepreneur, he has impacted more than 35.000 students worldwide and led innovation projects for Google, Abbott, Faber-Castell and many more.

Specialist in innovation and design thinking, with extensions in renowned schools like MIT and Berkeley in the United States. Also expert in Social Innovation at the School of Visual Arts and Design Thinking at HPI – dSchool, in Germany.

Naturally curious, love gets ideas flying off the paper. He always tries to see things from different angles to enact better futures. In his free time, spend exploring uninhabited places around the world surfing.

Fique Ligado

    Inscreva-se na newsletter da Echos para acompanhar as novidades da indústria, notícias de inovação e ofertas exclusivas.

    Forgot your password? Click here to reset.

    Presença Global

    © Copyright 2022 Echos. All rights reserved.